O Fabuloso Destino de Gisèle Alain

Tal qual os quadrinhos ocidentais, as incursões dentro do mundo dos mangás são uma roleta russa: um constante exercício mental de repetir o mantra “por favor, não jogue fora os trinta e sete minutos que passei navegando no mangaupdates  procurando a combinação de tags perfeita com decisões ruins de roteiro, sexualização gratuita de menores como se fosse algo socialmente aceitável e inclusão repentina de irritantes personagens arquétipos japoneses clichês,  por favor, não jogue fora (…)” conforme se vai avançando na leitura. De vez em quando, a tentativa dá certo, e é possível achar material como o charmoso Gisèle Alain.

Continuar lendo “O Fabuloso Destino de Gisèle Alain”

Um ano de Batman v. Superman – A Epopeia do Fracasso

 

“That’s Superman gone bad. If Superman grabbed your arm and pulled really hard, he’d pull your arm out of your socket. That’s the thing you don’t see in a Superman movie. But in Watchmen, what you get is, like, ”I’m a Superman, and I really want to help mankind — but I just tore this guy in half by accident. People call me a ‘superhero,’ but I don’t even know what that means. I just blew this guy to bits! That’s heroic?”

(Zack Snyder definindo o Dr. Manhattan em uma entrevista de 2008, a respeito do filme Watchmen)

Continuar lendo “Um ano de Batman v. Superman – A Epopeia do Fracasso”

Tio Sam – O Veredicto da Legião

O exercício de ler alguma obra dentro do Santo Imaculado Selo Vertigo sempre incorre na possibilidade de na verdade, no fim das contas, ela não ser grande coisa. Por consequência, tal acontecimento nos faz ponderar se o que nos restava de inteligência foi asfixiado por anos a fio de leituras de vingadores psicóticos obcecados com um jeito duvidoso de se vestir, e temer o tribunal opinativo alheio que mantém uma folha em Couché escrita “Vertigo” na parede em que seu genuflexório está posicionado e que subitamente já se considera “inteligente demais” para se dar ao árduo trabalho de ler esses mesmos “vingadores psicóticos obcecados com um jeito duvidoso de se vestir” descritos acima. Mas  dito isso, e aí, qual é a desse Tio Sam (Steve Darnall e Alex Ross, duas edições, indicado ao prêmio Eisner de 1998)?

Continuar lendo “Tio Sam – O Veredicto da Legião”